quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

 palavras de Osho
Vulnerável e forte


Há pessoas que se sentem fortes somente quando não estão vulneráveis, mas essa força é apenas uma fachada, uma camuflagem. E há pessoas que são vulneráveis, mas se sentem fortes.

Aqueles que se sentem fracos quando estão vulneráveis, não podem se sentir vulneráveis por muito tempo: mais cedo ou mais tarde essa fraqueza os deixará com tanto medo que eles se fecharão.

Assim, a abordagem correta é se sentir vulnerável e forte. Então, você poderá permanecer vulnerável, a cada dia sua força crescerá e você ficará corajoso o bastante para se tornar cada vez mais vulnerável.

A pessoa realmente valente está absolutamente aberta — esse é o critério da coragem. Somente o covarde está fechado, e a pessoa forte é tão forte como uma rocha e tão vulnerável como uma rosa. É um paradoxo, e tudo o que é real é paradoxal.
Lembre-se sempre: quando você sente algo paradoxal, não tente torná-lo consistente, porque essa consistência será falsa.
A realidade é sempre paradoxal: por um lado, você se sente vulnerável; por outro, se sente forte — isso significa que um momento da verdade chegou. Por um lado, você sente que nada sabe; por outro, sente que sabe tudo — um momento da verdade chegou.
Por um lado, você sempre sente um aspecto e por outro, o aspecto exatamente oposto. E quando você tem ambos os aspectos juntos, lembre-se sempre de que algo verdadeiro está muito próximo.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Entre o prazer e o sofrimento

O único estado no qual a pessoa pode se tornar uma residente permanente é o espaço que nem é este nem aquele.

Neste espaço existe uma qualidade de silêncio e serenidade. É claro, no começo parece muito sem sabor, porque não existe sofrimento nem prazer. Mas todos os sofrimentos e todos os prazeres são apenas excitação.
A excitação da qual você gosta, você chama de prazer; a excitação da qual você não gosta, você chama de sofrimento. Algumas vezes acontece de você poder começar a gostar de uma certa excitação e ela pode se tornar prazer, e você pode começar a gostar de uma outra excitação e ela pode se transformar em sofrimento.
Assim, a mesma experiência pode se tornar sofrimento ou prazer; depende de seu gostar e desgostar. Relaxe no espaço entre o prazer e o sofrimento. Esse é o estado mais natural de relaxamento. Quando você começar a estar nele, a senti-lo, aprenderá o seu sabor. Chamo a isso de sabor do Tao.
Ele é como o vinho; no começo será muito amargo. Você precisa aprender. E esse é o vinho mais concentrado que existe, a mais notável bebida alcoólica do silêncio e da serenidade.
Você se embriaga com ele. Aos poucos você entenderá o seu sabor. No começo ele não tem gosto, porque sua língua está repleta de sofrimentos e prazeres.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Entrega - blog palavras de Osho

Entrega

No fundo, você gostaria de se mover em uma entrega total, na qual todas as suas preocupações são dissolvidas e você possa simplesmente descansar. Mas você tem medo; todos têm medo da entrega.



Normalmente pensamos que somos alguém — e nada somos! O que você tem para entregar? Apenas um falso ego, apenas uma idéia de que você é alguém. Isso é apenas ficção. Quando você entrega a ficção, você se torna real.



Quando você entrega aquilo que você realmente não tem, você se torna aquilo que você é. Mas nos apegamos porque por toda a nossa vida fomos treinados a ser independentes. Por toda a nossa vida fomos treinados, programados para lutar, como se a vida toda nada mais fosse do que uma luta para sobreviver.



A vida é conhecida somente quando você começa a se entregar. Então, você para de lutar e começa a desfrutar. Mas, no Ocidente, o conceito do ego é muito forte e todos estão tentando conquistar algo.



As pessoas até falam em conquistar a natureza. Tolice absoluta! Somos parte da natureza; como podemos conquistá-la? Podemos destruí-la, não podemos conquistá-la. Aos poucos, toda a natureza está sendo destruída, toda a ecologia está sendo perturbada.



Nada existe a conquistar. Na verdade, você precisa se mover com a natureza, na natureza, e permitir que ela seja ela mesma.



Ser espontâneo é ser divino


A porta para o divino é a espontaneidade. Ser espontâneo é ser divino. A mente nunca é espontânea, ela está sempre no passado ou no futuro, está naquilo que já foi ou naquilo que ainda não aconteceu. Entre um e outro, ela perde aquilo que é - ou seja, a porta presente.



O momento presente não é parte do tempo, por isso a mente não pode acessá-lo. Mente e tempo são sinônimos. Você pode dizer que a mente é o tempo dentro de seu ser, e o tempo é a mente fora de você, mas eles são um único fenômeno.



O momento presente não é parte do tempo nem da mente. Quando você está no momento presente, está em um estado divino. Esse é o verdadeiro significado da meditação, o verdadeiro significado da oração, o verdadeiro significado do amor.



E, quando você age no momento presente, essa ação nunca é escravizadora, porque não é sua: é o divino agindo através de você, é o divino fluindo através de você.

No fundo, você gostaria de se mover em uma entrega total, na qual todas as suas preocupações são dissolvidas e você possa simplesmente descansar. Mas você tem medo; todos têm medo da entrega.

Normalmente pensamos que somos alguém — e nada somos! O que você tem para entregar? Apenas um falso ego, apenas uma idéia de que você é alguém. Isso é apenas ficção. Quando você entrega a ficção, você se torna real.



Quando você entrega aquilo que você realmente não tem, você se torna aquilo que você é. Mas nos apegamos porque por toda a nossa vida fomos treinados a ser independentes. Por toda a nossa vida fomos treinados, programados para lutar, como se a vida toda nada mais fosse do que uma luta para sobreviver.



A vida é conhecida somente quando você começa a se entregar. Então, você para de lutar e começa a desfrutar. Mas, no Ocidente, o conceito do ego é muito forte e todos estão tentando conquistar algo.



As pessoas até falam em conquistar a natureza. Tolice absoluta! Somos parte da natureza; como podemos conquistá-la? Podemos destruí-la, não podemos conquistá-la. Aos poucos, toda a natureza está sendo destruída, toda a ecologia está sendo perturbada.



Nada existe a conquistar. Na verdade, você precisa se mover com a natureza, na natureza, e permitir que ela seja ela mesma.


Ser espontâneo é ser divino

A porta para o divino é a espontaneidade. Ser espontâneo é ser divino. A mente nunca é espontânea, ela está sempre no passado ou no futuro, está naquilo que já foi ou naquilo que ainda não aconteceu. Entre um e outro, ela perde aquilo que é - ou seja, a porta presente.


O momento presente não é parte do tempo, por isso a mente não pode acessá-lo. Mente e tempo são sinônimos. Você pode dizer que a mente é o tempo dentro de seu ser, e o tempo é a mente fora de você, mas eles são um único fenômeno.



O momento presente não é parte do tempo nem da mente. Quando você está no momento presente, está em um estado divino. Esse é o verdadeiro significado da meditação, o verdadeiro significado da oração, o verdadeiro significado do amor.



E, quando você age no momento presente, essa ação nunca é escravizadora, porque não é sua: é o divino agindo através de você, é o divino fluindo através de você.

Osho, em "Meditações Para a Noite"

quarta-feira, 16 de junho de 2010

--------------------------------------------------------------------------------


Retire-se para não ficar no caminho entre você e a existência



Se a existência não dançar dentro de você, não há possibilidade de nenhuma outra dança. Se a existência não se regozijar em você, não há possibilidade de regozijo.
Retire-se para não ficar no caminho entre você e a existência. Deixe de lado o ego, a simples ideia de um "eu", e torne-se totalmente vazio, receptivo.
Quando o vazio for total, o todo começará a jorrar milhões de alegrias e milhões de flores sobre você. O esplendor será infinito.

Osho, em "Meditações Para A Noite"

segunda-feira, 31 de maio de 2010

--------------------------------------------------------------------------------


"Fale Pouco, Estúpido"

Perguntaram a Osho: Osho, por que você fala sempre durante noventa minutos?
Há muitas razões, mas porque os noventa minutos vão se completar logo, eu lhe falarei só sobre algumas.
A primeira é: depois de trinta minutos, você dorme durante um terço do tempo. Depois de sessenta minutos, dois terços. Depois de noventa minutos, o tempo todo. Então eu tenho que partir.
E a segunda: eu não tenho esposa aqui. Primeiro você terá de ouvir uma história, então você entenderá minha resposta. O que quero dizer quando digo que não tenho uma esposa?
Contam que um grande líder político, sempre que queria falar, costumava prolongar-se e prolongar-se, sem terminar, mas, sempre que sua esposa estava presente, a fala dele era muito curta e suave.
Seu secretário era perfeitamente capaz de entender do que se tratava: quando a esposa estava presente, ele tinha medo.
Assim, não havia curiosidade a respeito disso, mas sobre uma coisa ele tinha grande curiosidade. Antes de o líder começar a falar, a esposa sempre enviava uma pequena nota pelo secretário. Era sempre assim.
Um dia, só por curiosidade, ele olhou para a nota. Não havia muito — só uma única palavra: KISS ("beijo", em inglês). Ele pensou: "Ela o ama tanto, sempre envia uma nota dizendo 'KISS' antes que ele inicie!"
De modo que, certo dia, quando se encontrou sozinho com o líder, ele disse: "O senhor tem uma esposa muito interessante! Vive com ela há trinta anos, e ela ainda é tão romântica — toda vez que você fala, ela envia uma nota dizendo 'KISS'".
Mas o político ficou muito triste e disse: "Você não entende. É uma palavra em código: ela significa 'Keep It Short, Stupid' (Fale Pouco, Estúpido)".
Chega por hoje.





Osho, em "A Revolução: Conversas Sobre Kabir"

quarta-feira, 26 de maio de 2010

--------------------------------------------------------------------------------


O amor de verdade

Eu sou contra flores de plástico. As flores de verdade são muito diferentes.
As flores de plástico são permanentes — o amor de plástico será permanente. A flor de verdade não é permanente: ela muda a todo o momento.
Hoje ela está lá dançando ao vento, sob o sol e a chuva. Amanhã você já não será capaz de encontrá-la — ela desapareceu tão misteriosamente quanto apareceu.
O amor de verdade é como uma flor de verdade.

Osho, em "Faça o Seu Coração Vibrar"

terça-feira, 18 de maio de 2010

A política começa na família

A política é uma doença e deve ser tratada exatamente assim. Ela é mais perigosa do que o câncer, e se cirurgia for necessária, deve ser feita. A política é basicamente suja. Ela tem que ser porque para um só posto milhares de pessoas ansiando, desejando; então naturalmente eles irão lutar, eles irão matar, eles farão qualquer coisa. Todo nosso programa mental está todo errado: fomos programados para sermos ambiciosos. É aí que está a política. Não está somente no mundo comum da política, ela até mesmo poluiu sua vida ordinária.
Mesmo uma criança pequena quando começa a sorrir para a mãe, para o pai – um sorriso falso; sem nenhuma profundidade nele. Mas ela sabe que quando sorri ela é recompensada. Ela aprendeu a primeira regra de ser um político. Ela ainda está no berço e você já a ensinou política.
Há política em toda parte nas relações humanas.
O homem tolheu a mulher. Isso é política.
As mulheres constituem metade da humanidade. O homem não tem nenhum direito de tolhê-las, contudo, há séculos, ele vem tolhendo-as completamente. Ele não permitiu a elas educação. Ele não permitiu nem mesmo que elas escutassem as escrituras sagradas. Em muitas religiões ele não as permitiu entrar no templo. Ou, quando ele permitiu, elas tinham uma seção separada; elas não podiam ficar de igual para igual com os homens mesmo diante de Deus.
Mas tudo começou com o próprio Deus. Você pode não estar ciente... porque normalmente todo mundo esqueceu. Os cristãos não o mencionam, os judeus não o mencionam. Adão e Eva são declarados como sendo o primeiro homem e a primeira mulher; Adão é certamente o primeiro homem, mas Eva não é a primeira mulher. Deus fez Adão e Lilia, e os fez semelhantes em tudo – a mesma altura, a mesma inteligência, o mesmo vigor, a mesma mente.
Mas os deuses dos tolos não podem ser muito sábios. Ele fez esses dois, mas ele não conseguiu fazer uma cama de casal! Ele fez uma cama pequena, e na primeira noite surgiu o problema de quem iria dormir na cama e quem iria dormir no chão: Assim – a briga de travesseiros não é nova, ela é tão antiga quanto o homem – eles começaram a jogar coisas um no outro. Ambos eram física e mentalmente iguais, e a mulher não podia ser subjugada: Adão tinha que dormir no chão.
Vendo que todos os animais estavam olhando através das janelas para o que estava acontecendo – e a mulher era inflexível, como ela sempre foi – ela dormiu na cama e o pobre Adão dormiu no chão, ele ficou com muita raiva.
Ele foi até Deus no dia seguinte e disse, "Essa mulher não serve. É muito problema. Só, eu estava bem. Foi minha culpa quando lhe pedi, ‘Estou sozinho; me dê uma companhia’. Que espécie de companhia você me deu? E você não podia ter sido um pouco mais compreensivo? Como é que duas pessoas podem dormir numa cama pequena? Preciso de uma mulher que não seja de maneira nenhuma igual a mim."
Lilia foi desmontada. Agora Eva foi criada de uma maneira totalmente diferente. Aconteceu a primeira cirurgia no mundo. Quando o pobre Adão estava adormecido – talvez tenha sido dado a ele algo semelhante a clorofórmio – Deus retirou uma de suas costelas e fez uma mulher da costela para que ela nunca fosse igual a ele; ela será apenas uma costela. E Eva tornou-se conhecida como a primeira mulher, mas realmente, ela era a segunda. Eu preferia a primeira mulher; ela tinha algum sal, algum vigor. Ela conseguiu na primeira noite colocar Adão no chão. Ele precisava disso.
Eva porém, era muito como uma escrava. Tudo que ela costumava fazer era, sempre quando Adão chegava em casa tarde e ia dormir, ela contava as costelas dele. Ela temia que Deus criasse outras mulheres, retirando outras costelas. E o homem, desde então... talvez a idéia de Deus seja também do homem. Deus também é um macho chauvinista: na sua trindade não há lugar para a mulher.
O homem tem tentado cortar de todas as maneiras a liberdade das mulheres.
Isso é política; não é amor.

Você ama uma mulher, mas você não lhe dá liberdade. Que tipo de amor é esse, que tem medo de dar liberdade?
Você a engaiola como a um papagaio. Você pode dizer que ama o papagaio, mas você não compreende que está matando o papagaio! Você retirou todo o céu do papagaio e deu a ele apenas uma gaiola. A gaiola pode ser feita de ouro, mas mesmo uma gaiola dourada não é nada comparada com a liberdade dos papagaios no céu, movendo-se de uma árvore para a outra, cantando a canção deles... não o que você força-os a dizer, mas o que é natural para eles, que é autêntico para eles.
A mulher continua fazendo coisas que o homem quer. Ela, aos poucos, esqueceu completamente que ela também é um ser humano.
Na China, por milhares de anos, um marido podia matar a esposa. Só em 1951 surgiu uma lei impedindo isso. Até 1951, ao marido era permitido: se ele quisesse matar sua mulher era assunto dele, era mulher dele, uma possessão. A lei não tinha nenhum interesse de interferir nas posses dele. E, ainda mais, a China acha que as mulheres não possuem almas; só o homem possui uma alma.
É por isso que na história da China você não irá encontrar uma única mulher do calibre de Lao Tsu, Lieh Tsu, Confúcio, Mencius.... nem uma mulher. Se você não tem uma alma você é só uma coisa; você não pode competir com o homem.
Metade da humanidade, em cada país, em cada civilização, tem sido destruída pela política familiar. Você pode não estar chamando isso “política”, mas é política. Sempre quando há um desejo por poder sobre outra pessoa, isso é política. Poder é sempre político... mesmo sobre crianças pequenas. Os pais pensam que as amam, mas isso é somente na mente deles porque eles querem que as crianças sejam obedientes – e o que significa obediência? Significa que todo o poder está nas mãos dos pais.
Se a obediência é uma qualidade tão grande, porque os pais não podem ser obedientes às crianças? Mas isso não tem nada a ver com religião. Tem tudo a ver com esconder a política numa bela palavra.
O homem precisa se expor em todos os pontos, onde quer que a política tenha penetrado – e ela penetrou em toda parte, em cada relacionamento. Ela contaminou toda a vida do homem, e continua contaminando.

Osho, em "The Path of the Mystic"

sábado, 15 de maio de 2010

O coração não tem nenhum conceito de tempo.

O coração não sabe nada do passado, nada do futuro; sabe apenas do presente
O coração não tem nenhum conceito de tempo.


Osho, em "The New Freedom"

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
 
Fernando Pessoa

Canções só compreensíveis para o coração

Uma pessoa que vive em sua cabeça não vive ali de fato.
Somente aquela que vive em seu coração, e que entoa canções que não são compreensíveis para a cabeça, danças que não estão relacionadas de nenhuma maneira com o contexto que lhe rodeia... apenas surgem de sua abundância, de sua prosperidade, você terá tanta energia que vai querer dançar, cantar e gritar...


Faça isso! Fará com que se sinta mais vivo, dará a você uma chance de saborear a vida como ela é.

Osho, em "Viva ao Máximo!"

Imagem por Nieve44/La Luz
A visita do Papa Bento XVI a Portugal constitui uma das maiores operações realizadas pela RTP. Três dias e meio de cobertura intensa. Pivot principal Fátima Campos Ferreira e dezenas de convidados. Plateaux em Lisboa no Terreiro do Paço, em Fátima no Santuário e no Porto na Avenida dos Aliados. Emissão personalizada com dezenas de jornalistas e técnicos.


A RTP é o Host-Broadcaster de todos os eventos a decorrer na cidade de Lisboa – Chegada ao Aeroporto Internacional de Lisboa, Cerimónia de boas vindas no Mosteiro dos Jerónimos, encontro com o Presidente da República no Palácio de Belém, Missa no Terreiro do Paço, encontro com o mundo da Cultura no Centro Cultural de Belém e partida no Aeroporto Internacional da Portela com destino a Fátima - , por ocasião da visita de Bento XVI, distribuindo o sinal para a SIC e TVI, bem como para todo o mundo.
A emissão da RTP irá acompanhar a visita de 4 dias do Papa a Portugal, em permanência:
· Inclui espaços específicos RTP em Lisboa (Terreiro do Paço), Fátima (Santuário) e no Porto (Av. dos Aliados).
· A condução das emissões da RTP estará a cargo de Fátima Campos Ferreira, que contará com a presença de vários convidados nos diversos palcos no percurso da visita.
· Nesta grande operação de televisão, a RTP conta com uma vasta equipa de profissionais no terreno. Cerca de 30 jornalistas irão efectuar a cobertura, em directo, de todos os eventos onde o Papa Bento XVI estiver presente, numa emissão coordenada por Judite de Sousa.
· Os meios envolvidos nesta operação são: Um carro de exteriores, em cada palco (Lisboa, Fátima e Porto), 2 régies portáteis e quatro DSNG (carros satélite). Haverá ainda algumas câmaras colocadas estrategicamente na cidade de Lisboa, nomeadamente em pontos altos da cidade.

Dia 11 de Maio:
Emissão Especial – 10h00-13h00
Emissão Especial – 16h00-20h15
Acompanhamento da Santa Missa realizada no Terreiro do Paço.

Dia 12 de Maio
Emissão Especial - 09h00-13h00Emissão Especial – 15h30-20h00
Emissão Especial – 21h00 – 00h
Transmissão, em directo, da Procissão das Velas, em Fátima

Dia 13 de Maio
Emissão em Especial – 09h00 – 13h00
Transmissão, em directo, da Santa Missa no Santuário de Fátima
Emissão Especial – 16h45-19h00
Encontro com as organizações da Pastoral Social

Dia 14 de Maio

Emissão Especial – 09h00-13h00
Santa Missa na Avenida dos Aliados

terça-feira, 11 de maio de 2010

Início

Onde você estiver, é sempre o início. É por isso que a vida é tão bela, tão jovem, tão virgem. Quando você começar a pensar que algo está completo, começará a ficar morto. A perfeição é morta; assim, os perfeccionistas são suicidas. Desejar ser perfeito é uma maneira indireta de cometer suicídio.
Nada jamais é perfeito, não pode ser, porque a vida é eterna. Nada jamais se conclui; não existe conclusão na vida — apenas pontos cada vez mais elevados. Quando você atinge um ponto culminante, um outro está desafiando-o, chamando-o, convidando-o.
Assim, lembre-se sempre de que onde você estiver é sempre um início. Então você sempre permanece uma criança, você permanece virgem. E essa é toda a arte da vida: permanecer virgem, permanecer novo e jovem, não corrompido pela vida, não corrompido pelo passado, não corrompido pela poeira que normalmente se junta nas estradas da jornada. Lembre-se: cada momento abre uma nova porta.
Isso é muito ilógico, porque sempre pensamos que, se houver um começo, deverá haver um fim. Mas nada pode ser feito. A vida é ilógica: ela tem um começo, mas não tem um fim. Nada que está realmente vivo jamais termina, mas segue continuamente em frente.



Osho, em "Osho Todos os Dias

sexta-feira, 7 de maio de 2010

13 de Maio em Fátima

"Coro infantil do Santuário acolherá o Papa com o hino da Visita Papal


À chegada de Bento XVI ao Santuário de Fátima, às 17:30 de 12 de Maio, as crianças serão as grandes protagonistas do acolhimento ao Papa. Em redor da Capelinha, onde o Papa se dirigirá de imediato assim que entre no Recinto, estarão as crianças que frequentam a catequese na Paróquia de Fátima. No coro estarão as crianças do coro infantil do Santuário de Fátima, também a maior parte da freguesia de Fátima e de localidades vizinhas ao Santuário.
Os ensaios decorrem, como habitualmente, em ambiente de alegria e de grande entrega, mas, neste caso, o entusiasmo das crianças da “Schola Cantorum Pastorinhos de Fátima” é redobrado. Isto porque foram as vozes escolhidas para acolher o Santo Padre Bento XVI na sua chegada à Capelinha das Aparições."

quarta-feira, 5 de maio de 2010

I Love Vinicius de Moraes


E por falar em saudade onde anda você
Onde andam seus olhos que a gente não vê
Onde anda esse corpo
Que me deixou louco de tanto prazer
E por falar em beleza onde anda a canção
Que se ouvia na noite dos bares de então
Onde a gente ficava,onde a gente se amava
Em total solidão
Hoje eu saio da noite vazia
Numa boémia sem razão de ser
Na rotina dos bares,que apesar dos pesares
Me trazem você
E por falar em paixão, em razão de viver
Você bem que podia me aparecer
Nesses mesmos lugares, na noite, nos bares
Onde anda você?

segunda-feira, 3 de maio de 2010

"O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo..."
Mário Quintana

"Quando se ouve boa música fica-se com saudade de algo que nunca se teve e nunca se terá."
Samuel Howe

"A juventude é uma idade horrível que apreciamos apenas no momento em que sentimos saudade dela."
A. Amur"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida."
Clarice Lispector

"A saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."
Rubem Alves

"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."
Martha Medeir

sábado, 1 de maio de 2010

Este texto foi escrito por mim ,para um trabalho do rvcc,e esta historia aconteceu comigo

Quando alguém, por vezes no dia-a-dia, nos é invisível e com uma simples frases nos toca no coração!


“O João”

Na minha profissão, todos os dias conheço pessoas novas. Mas muitas delas mal as vejo mas sei que lá estão, quantos anos têm, como se chamam, se são homem ou mulher.
Mas o tempo que temos por vezes é tão pouco, e por muito que nós queiramos não conseguimos “chegar” a todos os doentes, para lhes dar toda atenção merecida. Parece ridículo, mas é verdade!
Mas depois há doentes que nós marcamos e que ficam no coração, pessoas que nunca mais esquecemos e falamos deles.
Em 2005 esteve um doente internando no nosso Hospital, algum tempo, não só por causa da sua doença, mas porque no fim de já estar recuperado, não tinha para onde ir.
O João, um habitante das Caldas, que se via muito nas nossas ruas da Cidade, que se metia com toda agente mas que não fazia mal a ninguém. O João, que tinha uma família, mas não tinha para onde ir.
Que os longos dias que passou entre nós, mas nunca recebeu uma visita. Que andava pelos corredores, e muitas vezes nós nada dizíamos.
E o mes de Dezembro chegou…O João, continuava, sem uma única visita, do irmão.
E o Natal Chegou…
Até que no dia 25 de Dezembro, ele olhou para mim parou e me disse” MENINA, NEM HOJE QUE É NATAL, EU TENHO UMA VISITA”.
Aquelas palavras nunca mais me saíram da memória… Aquele doente - muitas vezes eu passei por ele sem disser nada! Nunca mais consegui passar por ele sem lhe perguntar “ Então João, como estás? “. Ele tinha sempre um sorriso para nos dar. Para ele aquelas palavras eram tudo, o amor, carinho, conforto, a atenção que ele gostava de ter do seu irmão.
As pessoas que por vezes nós não damos importância, mas muitas vezes as pessoas que nos passamos ao lado, são as mais preciosas.

Frase do mês

A verdade é o bem mais valioso que nós possuímos. Vamos economizá-lo. (Mark Twain)

Mês de Maio Mês de Maria




Transcrito do Livro Os Mistérios de Maria, Página 32, de Antônio Cardigos, Editora Rei dos Livros:

A Virgem Fiel

Quando Miguel Ângelo acabou de esculpir "a Pietà" do Vaticano, alguém lhe perguntou por que representara Nossa Senhora mais jovem que o seu Filho Jesus.
O famoso escultor respondeu: As pessoas enamoradas e fiéis não envelhecem!
Que Nossa Senhora nos ensine a enamorar-nos de verdade e a ser fiéis.


Transcrito do Livro Os Mistérios de Maria, Página 48, de Antônio Cardigos, Editora Rei dos Livros:

O rosto da Mãe

Corria-se a volta à Itália em bicicleta. Na etapa da montanha, os ciclistas escalavam o monte com muita dificuldade. De repente, Bartali saiu do pelotão e, pedalando, pedalando, mantém a fuga e chega isolado a cortar a meta.
Fazem-se muitas perguntas, inúmeros comentários sobre a proeza. O próprio Bartali acabou por explicar o sucesso: Foi muito simples, estava cansado, como todos os meus companheiros. Levantei então a cabeça e olhando a linha do horizonte, divisei a saliência de uma pedra que parecia desenhar o rosto de minha mãe. Veio-me à cabeça a sua preocupação pelos meus irmãos mais novos. Eles precisavam que eu ganhasse aquela etapa. O prêmio dos Alpes era muito importante para lhes pagar os estudos. Foi como se eu tivesse tomado uma injeção de energia. Se soubessem como as minhas pernas começaram a pedalar?! Vamos, tenho que ganhar! disse para comigo próprio.
Quando cortei a meta no meio dos aplausos, senti que aquela etapa tinha sido ganha pela minha mãe.
Se ganhamos o Céu, é a nossa mãe do Céu que o ganha para nós. Não o ganhamos sem Ela. Ela puxa-nos para cima, e tem pressa de que o ganhemos. Nas várias etapas da nossa vida, sobretudo se são de montanha, reconheçamos o rosto de Maria, nossa mãe e causa da nossa esperança. Digamos-lhe muitas vezes, ao longo do dia: Minha Mãe, minha confiança.

Transcrito do Livro Os Mistérios de Maria, Página 68, de Antônio Cardigos, Editora Rei dos Livros:

O mendigo de Pacorbo

A história fala-nos de um mendigo e de uma ermida dedicada a Nossa Senhora. O mendigo costumava ir lá rezar todos os dias. O seu problema era o problema de todos os mendigos do mundo: ter dinheiro suficiente para comer; a humilhação de pedir. As pessoas que iam à ermida deitavam esmolas através das grades, e o pároco de vez em quando recolhia-as e comprava flores com elas.
A oração do mendigo era asssim: Bom dia Mãe. Está calor. Muito calor. Às vezes gostava de ser rico. Comprava-te... Bem, já vês! Que parvoíce! Como se tu não soubesses isso. No dia em que não venho cá, parece-me que me falta qualquer coisa!. Bem, o sol já vai alto e cheio e o estômago está vazio.
Mas o surpreendente vinha depois: o mendigo metia a mão nos bolsos, contava o dinheiro e, quando não chegava, pedia um empréstimo a Nossa Senhora.
A maneira de se apropriar do dinheiro era simples. Cobria de pez a ponta da bengala, que introduzia através das grades da ermida e com ela procurava apanhar algumas das moedas que os devotos atiravam para o pavimento e que ficasse ao seu alcance. Mas lá isso, era honesto. Apontava tudo num livro: devo, devolvi...
Ao regressar a casa, o mendigo perguntava ao neto que vivia com ele: estudaste? comeste? E estendia-lhe um pão, uma maçã. E os olhos do miúdo riam ao ver o tamanho da maçã. A maior era sempre para o miúdo. Gostavam muito um do outro.
Passaram os anos. O mendigo adoeceu e então rezava assim: Mãe deixa que eu viva até que ele termine os estudos. Só te peço mais dez anos de vida. Se não puder ser, paciência. Tu é que sabes. Mas protege o meu neto. Até amanhã.
Mas no céu decidiram que o velho já tinha lutado bastante e chamaram-no, para ficar a conversar eternamente com Nossa Senhora.
E à noite, o neto acariciava recordações: a bengala de ponta escurecida pelo pez, o alforge, a colher que guardava o segredo de repartir mais para os outros e ah! o velho livrinho. Soltaram-se-lhe as lágrimas. O rapaz leu devagar e em voz alta. Dizia: Isto vai mal. Apanhei a Nossa Senhora dez escudos. Ao todo devo-lhe cinqüenta e cinco escudos. Depois abriu a última página escrita, a do dia em que o avô morreu e dizia assim: dia oito de Dezembro, hoje estou em paz com Nossa Senhora.

Transcrito do Livro Os Mistérios de Maria, Página 97, de Antônio Cardigos, Editora Rei dos Livros:


A bandeira da Europa

Em 1950, o Conselho da Europa abriu um concurso para a elaboração da bandeira da recém-nascida comunidade européia.
Arsene Heitz, artista de 80 anos, de Strasbourg, apresentou vários projetos e um deles representando 12 estrelas sobre fundo azul; foi esta que ganhou.
Onde se foi inspirar o artista? Naquela altura andava a ler a história das aparições de Nossa Senhora na Rue du Bac em Paris, que hoje é conhecida com Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. O artista inspirou-se na imagem de Nossa Senhora da Conceição, que representa a figura do Apocalipse: a mulher vestida de sol, a lua debaixo dos pés e na cabeça uma coroa de 12 estrelas.
Claro está que nem as estrelas, nem o azul da bandeira da Europa são propriamente símbolos religiosos. Neste sentido Paul Lévy, primeiro diretor dos serviços de imprensa e informação do Conselho da Europa, quando explicou aos membros da Comunidade Econômica o sentido do desenho, interpretou o número das doze estrelas como o algarismo da plenitude, já que na década de 50 não eram 12 nem os membros do Conselho da Europa nem os da Comunidade Européia.
E, talvez sem dar por isso, esta insígnia proposta por Heitz foi adotada oficialmente no dia 8 de Dezembro de 1955.
São muitas coincidências, casualidades, para que não nos seja difícil descobrir, por entre as dobras da nossa bandeira de europeus, o sorriso e o carinho de Nossa Senhora Rainha da Europa, disposta a dar-nos uma mão neste desafio lançado pelo Papa de recristianizar o Velho Continente.


                      Noivas trocam maio por dezembro



Maio já começou! O mês das mães, também é o mês das noivas. Essa é uma informação que grande parte das pessoas sabem, mas o que não é muito divulgado é o por quê. No site chamado "Guia dos curiosos" diz que maio foi intitulado mês das noivas por influência da Igreja Católica. Isso porque é o mês da consagração de Maria, mãe de Cristo. A comemoração do dia das mães, no segundo domingo de maio, também contribuiu para a associação com as noivas.
Como a Igreja Católica tinha muito poder sobre as pessoas, ela instituiu que o quinto mês do ano seria o mais propício para cerimônias religiosas. No entanto, o que acontece hoje, é que maio já não é mais o escolhido pelas mulheres que pretendem se casar. Os tempos mudaram e com eles as condições para se ter um casamento dos sonhos.
Dezembro tornou-se a data mais procurada. Essa mudança foi devida às condições que este mês oferece, como os abonos extras que os trabalhadores ganham no final do ano. O 13¼ salário é um alívio para quem está gastando muito com vestidos, decoração, festas e seria um complemento para a viagem de lua-de-mel. Este período também coincide com as férias e é bastante festivo por causa das comemorações de fim de ano.
Além de dezembro, há outro mês que desbancou o chamado mês das noivas. Setembro, segundo dados do IBGE, está sendo considerado o segundo mais procurado. Não há justificativas científicas para explicar o motivo da preferência por este período, no entanto, acredita-se que este seria um mês romântico por causa da chegada da primavera, estação das flores.
Como há os meses mais procurados para os enlaces matrimoniais, há os que estão muito longe de se tornarem preferidos. Agosto é, literalmente, o menos cogitado. Em cada 100 cerimônias, apenas 4 são realizadas neste mês. Entre as explicações para o desprezo seria que na Idade Média este era o mês do celibato, ou seja, do solteirismo. Era quase um pecado realizar casamentos neste período. Já a crendice popular diz que não traz boa sorte casar-se no "mês do cachorro louco". Agosto, para completar, fica no inverno, a estação que menos atrai os nubentes.





Dia do Trabalhador em Portugal


1º de Maio na cidade do PortoEm Portugal, só a partir de Maio de 1974 (o ano da revolução do 25 de Abril) é que se voltou a comemorar livremente o Primeiro de Maio e este passou a ser feriado. Durante a ditadura do Estado Novo, a comemoração deste dia era reprimida pela polícia. O Dia Mundial dos Trabalhadores é comemorado por todo o país, sobretudo com manifestações, comícios e festas de carácter reivindicativo, promovidas pela central sindical CGTP-Intersindical (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical) nas principais cidades de Lisboa e Porto, assim como pela central sindical UGT (União Geral dos Trabalhadores). No Algarve, é costume a população fazer pic-nics e são organizadas algumas festas na região.

História do dia do trabalhador


No dia 1º de Maio de 1886, 500 mil trabalhadores saíram às ruas de Chicago, nos Estados Unidos, em manifestação pacífica, exigindo a redução da jornada para oito horas de trabalho. A polícia reprimiu a manifestação, dispersando a concentração, depois de ferir e matar dezenas de operários.
Mas os trabalhadores não se deixaram abater, todos achavam que eram demais as horas diárias de trabalho, por isso, no dia 5 de Maio de 1886, quatro dias depois da reivindicação de Chicago, os operários voltaram às ruas e foram novamente reprimidos: 8 líderes presos, 4 trabalhadores executados e 3 condenados a prisão perpétua.
Foi este o resultado desta segunda manifestação.
A luta não parou e a solidariedade internacional pressionou o governo americano a anular o falso julgamento e a elaborar novo júri, em 1888. Os membros que constituíam o júri reconheceram a inocência dos trabalhadores, culparam o Estado americano e ordenaram que soltassem os 3 presos.
Em 1889 o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio, como o Dia Internacional dos Trabalhadores, um dia de luto e de luta. E, em 1890, os trabalhadores americanos conquistaram a jornada de trabalho de oito horas.
116 anos depois das grandiosas manifestações dos operários de Chicago pela luta das oito horas de trabalho e da brutal repressão patronal e policial que se abateu sobre os manifestantes, o 1º de Maio mantém todo o seu significado e actualidade.
Nos Estados Unidos da América o Dia do Trabalhador celebra-se no dia 3 de Setembro e é conhecido por "Labor Day". É um feriado nacional que é sempre comemorado na primeira segunda-feira do mês de Setembro e está relacionado com o período das colheitas e com o fim do Verão.
No Canadá este feriado chama-se "Dia de Oito Horas". Tem este nome porque se comemora a vitória da redução do dia de trabalho para oito horas.


Na Europa o "Dia do Trabalhador" comemora-se sempre no dia 1 de Maio.




terça-feira, 27 de abril de 2010

Entre dois pensamentos, mergulhe no céu interior

Certa vez um buscador foi procurar Bayazid, um místico sufi, e perguntou: "Mestre, eu sou uma pessoa muito irascível. A raiva me toma muito facilmente; eu fico realmente furioso e faço coisas. Nem posso acreditar, depois, que fui capaz de fazer tais coisas; eu fico fora de mim. Então, como largar essa raiva, como superá-la, como controlá-la?". Bayazid tomou a cabeça do discípulo em suas mãos e olhou-o nos olhos. O discípulo mostrou-se um pouco intranquilo, e Bayazid disse: "Onde está essa raiva? Eu gostaria de vê-la aqui".
O discípulo riu, pouco à vontade, e disse: "Agora eu não estou bravo. Às vezes acontece".
Então Bayazid disse: "Aquilo que acontece às vezes não é da sua natureza. É um acidente. Vai e vem. É como as nuvens, então por que ficar preocupado com as nuvens? Pense no céu que está sempre ali".
Esta é a definição de atman, o céu que está sempre presente. Tudo aquilo que vai e vem é irrelevante; não se aborreça com isso, é só fumaça.
O céu que permanece eternamente nunca muda, nunca fica diferente. Entre dois pensamentos, mergulhe nele; entre dois pensamentos, ele está sempre ali. Olhe dentro dele e de repente perceberá que você está na não-mente.


Osho, em "Um Pássaro em Voo: Conversas Sobre o Zen"
Todos os belos sentimentos do mundo pesam menos que uma única acção amigável.

(J. R. Lowell)

Aquilo que o mestre é vale mais que os ensinamentos do mestre.
(Karl Menninger)

Acho que os sentimentos se perdem nas palavras. Todos deveriam ser transformados em acções, em ações que tragam resultados.
(Florence Nightingale)

Não é a força, mas a constância dos bons sentimentos que conduz os homens à felicidade.
(Friedrich Nietzsche)

Quando fazes o bem, nasce dentro de ti um maravilhoso sentimento.
(Rabi Harold Kushner)

Só os bons sentimentos nos podem unir; o interesse nunca forjou uniões duradoiras.
(Auguste Comte)

Um coração é uma riqueza que não se vende nem se compra, oferece-se.
(Gustavo Flaubert)

Temos de nos unir, não para estarmos juntos, mas para fazer qualquer coisa juntos.
(Donoso Cortés)


Se deres luz para alumiar a vida do teu irmão, a luz brilhará em ti ainda mais luminosa.
(Albert Schweitzer)


Não enfrentes obra alguma com a fúria da paixão; equivaleria a fazer-se ao largo em plena borrasca.(Thomas Fuller)
O avesso do barato


A curiosidade matou o gato", diz o dito popular. A droga é uma armadilha fatal que aprisiona o curioso na dependência química e, para sair dessa cela, quase sempre paga-se um preço alto demais, enfrentando o avesso do barato. Para não entrar nessa viagem, que muitas vezes deixa seqüelas irreversíveis no corpo e na mente dos dependentes, é bom saber como atuam no organismo as drogas mais conhecidas.

É importante saber também que o uso contínuo de drogas afeta o mecanismo natural do sistema imunológico, reduzindo as defesas orgânicas contra infecções. E para quem está, naturalmente, no nível fronteiriço de alguma doença psíquica, qualquer droga pode potencializar essa tendência. Nesse caso, instala-se um quadro complexo, de tratamento muito mais difícil.
A progressão do alcoolismo é bem delimitada: no início, o bebedor se sente extrovertido, se exibe e se julga brilhante; na segunda fase, fica mais solto, brincalhão; depois, vira um leão, quente, agressivo após algumas doses, quer brigar, quebrar tudo o que vê pela frente; já completamente dominado pelo álcool, o dependente perde a noção de honestidade e pode roubar a própria família para comprar bebida; entra na fase de perda da auto-estima, deixando até de cuidar da higiene pessoal; e finalmente chega ao fundo do poço, tomando álcool puro e caindo pelas ruas – para ele só resta a internação clínica.
           
O uso contínuo afeta o mecanismo naturaldo sistema imunológico

segunda-feira, 26 de abril de 2010

A essência está à vontade

A meditação é uma espécie de remédio — seu uso será apenas passageiro. Quando você tiver apreendido a qualidade, não precisará praticar mais nenhuma meditação em particular, pois a atitude meditativa é que deverá permear todos os cantos da sua vida.
Andar é Zen, sentar-se é Zen.
Qual será então essa qualidade? A pessoa passa a andar de maneira vigilante, alerta, alegremente, sem metas a atingir, centrada, com amor, deixando-se fluir. E o caminhar é despreocupado. A pessoa senta-se com amor, alerta, vigilante, desinteressadamente — sem estar buscando alguma coisa em especial, mas apenas desfrutando a beleza do sentar-se sem fazer nada, o quanto isso é relaxante, repousante...
Depois de uma longa caminhada, você se senta à sombra de uma árvore, e a brisa vem e o refresca.
A cada momento é preciso que a pessoa esteja bem consigo mesma — não empenhada em melhorar, cultivando alguma coisa, praticando alguma coisa.
Andar é Zen, sentar-se é Zen.
Falando ou em silêncio, movimentando-se, em repouso, a essência está à vontade. A essência está à vontade: esta é a idéia-chave. A essência está à vontade: esta é a afirmação-chave.
Faça o que quiser, mas, no âmago mais profundo, permaneça à vontade, frio, calmo, centrado.



Osho, em "The Sun Rises in the Evening"

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Sentando-se

Meditação significa dar alguns minutos para a não-ocupação. No começo, isso é muito difícil — a coisa mais difícil do mundo no começo e a mais fácil no fim. E por ser tão fácil é que é tão difícil. Se você disser a alguém para sentar-se e não fazer nada, ele ficará inquieto, começará a sentir que formigas estão subindo por suas pernas, ou alguma coisa está acontecendo no seu corpo. Ficará muito impaciente, pois sempre esteve ocupado.
É como um carro, com o motor ligado, roncando, sem ir a lugar algum; o motor continua fazendo barulho e esquentando cada vez mais. Você não sabe mais como desligar o motor. E é isso o que a meditação é: a arte de desligar o motor.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

A tristeza faz parte da vida tanto quanto a felicidade

A tristeza faz parte da vida tanto quanto a felicidade. Não se pode negá-la, ela tem de ser absorvida.


Osho, em "Hammer on the Rock"
http://www.palavrasdeosho.com/

quarta-feira, 21 de abril de 2010


                         Autora da biografia de Oprah Winfrey diz que apresentadora é assexuada

A biógrafa Kitty Kelley, acostumada a escrever sobre celebridades, disse que a apresentadora Oprah Winfrey trabalha tanto que não tem tempo para sua vida pessoal.
Ela conta a vida da mulher mais poderosa da mídia estadunidense no livro "Oprah: A Biography" que chega às livrarias nesta terça-feira. Segundo a autora, que entrevistou cerca de 850 pessoas, Oprah, que é noiva de Stedman Graham desde 1992, não se interessa por ninguém. Ela não seria gay, como acreditava-se que ela tinha um caso com a amiga Gayle King, mas, apenas "assexuada".
A biografia, que tem 525 páginas, conta a infância dela na Zona Rural do Mississippi. Apresentadora teve um bebê aos 15 anos de idade.
A ecritora afirmou ainda que a apresentadora é ambiciosa por natureza.

terça-feira, 20 de abril de 2010

A violência domestica

                                           


                    


"Violência doméstica é a violência, explícita ou velada, literalmente praticada dentro de casa ou no âmbito familiar, entre indivíduos unidos por parentesco civil (marido e mulher, sogra, padrasto) ou parentesco natural pai, mãe, filhos, irmãos etc.[1] Inclui diversas práticas, como a violência e o abuso sexual contra as crianças, maus-tratos contra idosos, e violência contra a mulher e contra o homem geralmente nos processos de separação litigiosa além da violência sexual contra o parceiro.



Pode ser dividida em violência física — quando envolve agressão directa, contra pessoas queridas do agredido ou destruição de objectos e pertences do mesmo (patrimonial); violência psicológica — quando envolve agressão verbal, ameaças, gestos e posturas agressivas, jurídicamente produzindo danos morais; e violência sócio-económica, quando envolve o controle da vida social da vítima ou de seus recursos económicos. Também alguns consideram violência doméstica o abandono e a negligência quanto a crianças, parceiros ou idosos. Enquadradas na tipologia proposta por Dahlberg; Krug, [2] na categoria interpessoais, subdividindo-se quanto a natureza Física, Sexual, Psicológica ou de Privação e abandono. Afetando ainda a vida doméstica pode-se incluir da categoria autodirigida o comportamento suicída especialmente o suicídio ampliado (associado ao homicídio de familiares) e de comportamentos de auto-abuso especialmente se consideramos o contexto de causalidade. É mais frequente o uso do termo "violência doméstica" para indicar a violência contra parceiros, contra a esposa, contra o marido e filhos. A expressão substitui outras como "violência contra a mulher". Também existem as expressões "violência no relacionamento", "violência conjugal" e "violência intra-familiar".



Note que o poder num relacionamento envolve geralmente a percepção mútua e expectativas de reação de ambas as partes calcada nos preconceitos e/ou experiências vividas. Uma pessoa pode se considerar como subjugada no relacionamento, enquanto que um observador menos envolvido pode discordar disso.
Muitos casos de violência doméstica encontram-se associados ao consumo de álcool e drogas, pois seu consumo pode tornar a pessoa mais irritável e agressiva especialmente nas crises de abstinência. Nesses casos o agressor pode apresentar inclusive um comportamento absolutamente normal e até mesmo "amável" enquanto sóbrio, o que pode dificultar a decisão da parceiro em denunciá-lo.
Violência e as doenças transmissíveis são as principais causas de morte prematura na humanidade desde tempos imemoriais, com os avanços da medicina, disponbilidade de água potável e melhorias da urbanização a redução das doenças infecciosas e parasitárias, tem voltado o foco da saúde pública para a ocorrência da violência. Contudo como observa Minayo e Souza [3] este é um fenõmeno que requer a colaboração interdisciplinar e ação multiprofissional, sem invalidar o papel da epidemiologia para o dimensionamento e compreensão do proplema alerta para os riscos de reducionismo e necessidade de uma ação pública.
Estatisticamente a violência contra a mulher é muito maior do que a contra o homem. Um estudo realizado em São Paulo [4] encontrou-se quanto à relação autor-vítima, que 1.496 (81,1%) agressões ocorreram entre casais, 213 (11,6%) entre pais/responsáveis e filhos, e 135 (7,3%) entre outros familiares. Esse mesmo estudo referindo-se acerca dos motivos da agressão, os chamados “desentendimentos domésticos” que se referem às discussões ligadas à convivência entre vítima e agressor (educação dos filhos; limpeza e organização da casa; divergência quanto à distribuição das tarefas domésticas) prevaleceram em todos os grupos, fato compreensível se for considerado que o lar foi o local de maior ocorrência das agressões. Para muitos autores, são os fatos corriqueiros e banais os responsáveis pela conversão de agressividade em agressão. Complementa ainda que o sentimento de posse do homem em relação à mulher e filhos, bem como a impunidade, são fatores que generalizam a violência.
Há quem afirme que em geral os homens que batem nas mulheres o fazem entre quatro paredes, para que não sejam vistos por parentes, amigos, familiares e colegas do trabalho. A cultura popular tanto propõe a proteção das mulheres (em mulher não se bate nem com uma flor) como estimula a agressão contra as mulheres (mulher gosta de apanhar) chegando a aceitar o homicídio destas em casos de adultério, em defesa da honra. Outra suposição é que a maioria dos casos de violência doméstica são classes financeiras mais baixas, a classe média e a alta também tem casos, mas as mulheres denunciam menos por vergonha e medo de se exporem e a sua família. Segundo Dias [5] o fenômeno ocorre em todas as classes porém mais visíveis entre os indivíduos com fracos recursos econômicos.



A violência praticada contra o homem também existe, mas o homem tende a esconder mais por vergonha. Pode ter como agente tanto a própria mulher quanto parentes ou amigos, convencidos a espancar ou humilhar o companheiro. Também existem casos em que o homem é pego de surpresa, por exemplo, enquanto dorme. Analisando os denominados crimes passionais a partir de notícias publicadas em jornais Noronha e Daltro [6]identificaram que estes representam 8,7% dos crimes noticiados e que destes 68% (51/75) o agressor era do sexo masculino (companheiro, ex-companheiro, noivo ou namorado) nos crimes ondea mulher é a agressora ressalta-se a circunstância de ser o resultado de uma série de agressões onde a mesma foi vítima."

A ansiedade

Crie uma distância entre você e sua personalidade. Todos os seus problemas estão relacionados com sua personalidade, e não com você. Você não tem problemas, ninguém realmente tem problemas. Todos os problemas pertencem à personalidade. Isto é o que você deve fazer: sempre que você sentir ansiedade, lembre-se de que ela pertence à personalidade. Você sente uma tensão, lembre-se de que ela pertence à personalidade. Você é o observador, a testemunha. Crie uma distância, e nada mais deve ser feito.
Uma vez que haja a distância, repentinamente você perceberá a ansiedade desaparecendo. Quando a distância for perdida, quando você ficar de novo fechado, de novo a ansiedade surgirá. Ansiedade é identificar-se com os problemas da personalidade. E relaxamento é não se envolver, permanecer não identificado com os problemas da personalidade.
Assim, por um mês, observe. Aconteça o que acontecer, permaneça distante. Por exemplo, você tem uma dor de cabeça. Tente ficar distante e observe a dor de cabeça. Ela está acontecendo em algum lugar no mecanismo do corpo.
Você está indiferente, um observador sobre a colina, distante, e ela está acontecendo a quilômetros de distância. Crie uma distância, crie um espaço entre você e a dor de cabeça e continue a aumentar cada vez mais o espaço.
Chegará um ponto em que você subitamente perceberá que a dor de cabeça está desaparecendo na distância.


Osho, em "Osho Todos os Dias"
A infertilidade é uma doença


Definição de infertilidade

A infertilidade é o resultado de uma falência orgânica devida à disfunção dos orgãos reprodutores, dos gâmetas ou do concepto. Um casal é infértil quando não alcança a gravidez desejada ao fim de um ano de vida sexual contínua sem métodos contraceptivos. Esta definição é válida para o casal com vida sexual plena de amor e prazer (3-5 vezes por semana), em que a mulher tem <35 anos de idade (6 meses se ≥35 anos de idade), e em que ambos não conhecem qualquer tipo de causa de infertilidade que os atinja. Também se considera infértil o casal que apresenta abortamentos de repetição (≥3, consecutivos).

Prevalência da infertilidade

A mulher deixa de produzir ovócitos após o nascimento. Na recém-nascida, cada ovário possui um milhão de folículos primordiais. Todos os meses, em cada ovário, cerca de 20-30 folículos iniciam o seu crescimento mas, devido à ausência de níveis adequados de hormonas, esses folículos degeneram (atrésia). Em consequência, por altura da puberdade, cada ovário já só possui 100.000 ovócitos. Na adolescência, a cada mês, um dos ovários consegue fazer crescer um folículo até aos 2-3 cm, a que se segue a sua ovulação (os ovários alternam a cada mês). Em simultâneo com este ciclo ovárico, a rapariga inicia os ciclos menstruais. A partir dos 28 anos, observa-se uma perda progressiva da capacidade de resposta dos folículos primordiais aos níveis hormonais. Deste modo, o ovário tende a deixar de formar folículos maduros, dando origem, com uma frequência cada vez maior, a folículos contendo ovócitos imaturos ou a folículos com ovócitos anormais (em morfologia e em estrutura genética), podendo mesmo não ovular. Os ciclos menstruais mantêm-se geralmente ritmados, independentemente do ciclo ovárico. Estas anomalias devem-se ao facto dos ovócitos estarem parados há vários anos, o que permite o seu envelhecimento. Em consequência, por exemplo, a taxa de trissomia 21 aumenta para 1/500 recém-nascidos aos 34 anos e 1/100 recém-nascidos aos 39 anos.
Pelo contrário, o homem nasce com células mãe nos testículos e só inicia a produção dos espermatozóides a partir da puberdade. Esta produção mantém-se toda a vida, apesar da concentração, morfologia normal e mobilidade dos espermatozóides tender a diminuir com a idade, geralmente já fora do período reprodutivo.
A prevalência da infertilidade conjugal é de 15-20% na população em idade reprodutiva. A taxa de infertilidade masculina é similar à taxa de infertilidade feminina. Em média, 80% dos casos apresentam infertilidade nos dois membros do casal, sendo, geralmente, um mais grave do que o outro. A infertilidade tem aumentado nos países industrializados devido ao adiamento da idade de concepção, à existência de múltiplos parceiros sexuais, aos hábitos sedentários e de consumo excessivo de gorduras, tabaco, álcool e drogas, bem como aos químicos utilizados nos produtos alimentares e aos libertados na atmosfera.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Aprendi....

Aprendi....que ninguém
é perfeito enquanto não te apaixonas.
Aprendi....que a vida é dura
mas eu sou mais que ela!!
Aprendi que...as oportunidades nunca se perdem
aquelas que desperdiças... alguém as aproveita
Aprendi que... quando te importas com rancores e amarguras a felicidade vai para outra parte.
Aprendi que... devemos sempre dar palavras boas... porque amanhã nunca se sabe
as que temos que ouvir.
Aprendi que...um sorriso é uma maneira económica de melhorar teu aspecto.
Aprendi que... não posso escolher como me sinto... mas posso sempre fazer alguma coisa.
Aprendi que...quando o teu filho recém-nascido
segura o teu dedo na sua mão tente prende-lo para toda a vida
Aprendi que...todos, todos querem viver no topo da montanha... mas toda a felicidade está durante a subida.
Aprendi que... temos que aproveitar da viagem
e não apenas pensar na chegada.
Aprendi que...o melhor é dar conselhos só em duas circunstâncias... quando são pedidos e
quando deles depende a vida.
Aprendi que...quanto menos tempo se desperdiça...
mais coisas posso fazer...

O Cancro

O que é o cancro? Como preveni-lo?

Saiba o que é o cancro, como pode ser detectado precocemente e quais os factores de risco.
O tempo é determinante no combate ao cancro. Informe-se e, pela sua saúde, consulte o médico quando suspeitar dessa situação. Quanto mais cedo for detectado, maior a probabilidade de cura do cancro.
O que é o cancro?
A palavra cancro é utilizada genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malignos.
Os tumores malignos são muito diversos, havendo causas, formas de evolução e tratamentos diferentes para cada tipo. Há, porém, uma característica comum a todos eles: a divisão e o crescimento descontrolado das células.
Todos os tumores são cancros?
Não.
Existem dois tipos de tumores: os benignos e os malignos. Neoplasia é também uma designação frequente para tumor.
Os tumores malignos, ao contrário dos tumores benignos, possuem duas características potenciais, que podem ou não estar expressas na altura em que a doença é diagnosticada:
Podem-se espalhar por metástases, isto é, aparecer tecido tumoral noutros órgãos diferentes daquele de onde se origina (por exemplo: fígado, pulmão, osso, etc);
Podem infiltrar outros tecidos circunvizinhos, incluindo órgãos que estão próximos.
Os tumores malignos são aqueles a que normalmente chamamos cancro. As doenças cancerosas são também designadas por oncológicas.
Como surge o cancro?
O cancro surge quando as células normais se transformam em células cancerosas ou malignas. Isto é, adquirem a capacidade de se multiplicarem e invadirem os tecidos e outros órgãos.
A carcinogénese, o processo de transformação de uma célula normal em célula cancerosa, passa por diferentes fases. As substâncias responsáveis por esta transformação designam-se agentes carcinogéneos. São exemplos de carcinogéneos as radiações ultravioletas do sol, os agentes químicos do tabaco, etc.
Para que se desenvolva um cancro é necessário que, de forma cumulativa e continuada, se produzam alterações celulares durante um largo período de tempo, geralmente durante anos.
Como resultado, cresce o número de células que apresentam alterações de forma, tamanho e função e que possuem a capacidade de invadir outras partes do organismo.
Como é que se diagnostica um cancro?
Um cancro pode ser suspeitado a partir de várias pistas: as queixas que o doente refere, a observação médica, diversos exames médicos (análises, TAC - tomografias axiais computorizadas e muitos outros – a definir consoante a circunstância) ou as achadas numa cirurgia.
Mas para confirmar o diagnóstico de um cancro é geralmente necessário uma amostra do tumor (biópsia). A análise dessa amostra permite determinar se a lesão é um cancro ou não. Este estudo dos tecidos (análise histológica) permite classificar e saber, na maioria dos casos, quais são os tecidos e as células das quais provém o tumor e quais são as características das mesmas. Por vezes é possível diagnosticar ou suspeitar de um cancro através da análise de células colhidas em locais de acesso superficial (citologia exfoliativa de, por exemplo, o colo do útero) ou por punção com aspiração das células (citologia aspirativa) Estes factores são fundamentais para determinar o tratamento mais adequado em cada caso.
Quais são os tipos de cancro?
Os cancros classificam-se de acordo com o tipo de células avaliado pela anatomia patológica, em:
Carcinoma - Tumor maligno que se origina em tecidos que são compostos por células epiteliais, ou seja, que estão em contacto umas com as outras, formando estruturas contínuas, como, por exemplo, a pele, as glândulas, as mucosas. Aproximadamente 80 por cento dos tumores malignos são carcinomas.
Sarcoma - Tumor maligno que tem origem em células que estão em tecidos de ligação, por exemplo ossos, ligamentos, músculos, etc. Nestes, as células estão unidas por substância intercelular e não são epitélios, são tecidos conjuntivos.
Leucemia - Vulgarmente conhecida como o cancro no sangue. As pessoas com leucemia apresentam um aumento considerável dos níveis de glóbulos brancos (leucócitos). Neste caso, as células cancerosas circulam no sangue e não há normalmente um tumor propriamente dito.
Linfoma - Cancro no sistema linfático. O sistema linfático é uma rede de gânglios e pequenos vasos que existem em todo o nosso corpo e cuja função é a de combater as infecções. O linfoma afecta um grupo de células chamadas linfócitos. Os dois tipos de linfomas principais são o linfoma de Hodgkin e o linfoma não Hodgkin.
É possível detectar o cancro precocemente?
Alguns tipos de cancro podem ser detectados precocemente.
A detecção precoce e o tratamento adequado imediato levam ao prolongamento do tempo de vida. Quanto mais cedo for detectado, maior a probabilidade de cura do cancro.
Quais são os métodos de detecção precoce?
Consoante o tipo de tumor existem exames que podem permitir uma detecção precoce de alguns cancros. Para alguns tumores justifica-se a realização de exames de rotina a toda a população em risco para a detecção precoce de neoplasia. O tipo de exame varia consoante o tumor que se procura. Por exemplo, mamografia (radiografia das mamas) para o cancro da mama feminina ou citologia (exame das células) do colo do útero ou, ainda, pesquisa de sangue nas fezes para o cancro do intestino grosso (cólon). Nem todos os tumores justificam exames de rotina para a sua detecção em população sem sintomas ou sinais de suspeição. O seu médico saberá quais os exames indicados e os momentos adequados para os fazer.
Quais são os sintomas a que se deve estar atento?
Os sintomas que acompanham com maior frequência os diferentes tipos de cancro e para os quais deve estar atento são:
Nódulo (caroço) ou dureza anormal no corpo. A maioria dos nódulos ou úlceras pode dever-se a manifestações benignas, mas não deve descurar a hipótese de se tratar de uma lesão maligna.
Dor persistente no tempo (que não desaparece com analgésicos) e da qual deve informar o seu médico.
Sinal ou verruga que se modifica.
Perda anormal de sangue ou outros líquidos. Uma hemorragia vaginal, urinária, pelas fezes, na expectoração, etc., pode ser um sintoma de uma doença benigna, mas também pode ser sintoma de um tumor maligno que se origina no útero, vagina, cólon ou pulmão.
Tosse ou rouquidão persistente. Tosse ou rouquidão que persiste mais de duas semanas e que não desaparece com tratamento sintomático deve ser analisada por um otorrinolaringologista. Deve ter especial atenção se é fumador.
Alteração nos hábitos digestivos, urinários ou intestinais. Na maioria das ocasiões pode tratar-se de uma lesão benigna. A modificação dos hábitos intestinais, a alternância dos mesmos e a alteração da cor das fezes podem indicar a necessidade de um estudo para descartar a existência de um cancro colorectal.
Perda de peso não justificada. A perda de peso sem fazer dieta, mantendo os mesmos hábitos alimentares e sem aumentar a actividade física deve ser valorizada.
Que testes de rastreio devem ser feitos?
De acordo com uma Recomendação do Conselho da União Europeia à Comissão e aos Estados Membros, devem ser feitos os seguintes testes de rastreio:
Rastreio do cancro do colo do útero: realização do Teste de Papanicolau - a iniciar entre os 20 e os 30 anos;
Rastreio do cancro da mama: realização de mamografia nas mulheres com idades compreendidas entre os 50 e os 69 anos;
Rastreio do cancro colorectal: pesquisa de sangue oculto nas fezes em homens e mulheres com idades compreendidas entre os 50 e os 74 anos.
A ocorrência de determinadas doenças prévias no indivíduo e, especialmente, a ocorrência de determinadas doenças oncológicas em familiares próximos podem justificar um plano de rastreio diferente, a definir pelo médico
Factores de risco e formas de prevenção
De acordo com o código europeu contra o cancro (CECC).
Fumar. Não fume. Se é fumador, deixe de o ser o mais rapidamente possível. Não fume na presença de não fumadores. Obesidade. Evite a obesidade.
Pratique, diariamente, exercício físico.
Aumente a ingestão diária de vegetais e frutos e limite a ingestão de alimentos contendo gorduras animais.
Modere o consumo de bebidas alcoólicas, tais como cerveja, vinho e bebidas espirituosas.
Evite a exposição demorada ou excessiva ao sol. É importante proteger as crianças, os adolescentes e os adultos com tendência para queimaduras solares.
Cumpra as instruções de segurança relativas a substâncias ou ambientes que possam causar cancro.
As mulheres devem participar no rastreio do cancro do colo do útero (Papanicolau).
As mulheres devem participar no rastreio do cancro da mama.
As mulheres e os homens devem participar no rastreio do cancro do cólon e do recto.
Participe em programas de vacinação contra a Hepatite B de acordo com as normas da Direcção-Geral da Saúde.
Consulte
Rede de Referenciação Hospitalar de Oncologia - (Adobe Acrobat - 802 Kb)
Site da Liga Portuguesa contra o Cancro

A mulher

MARAVILHOSO E PERFEITO!!!



Quando Deus fez a Mulher,ele estava no sexto dia de trabalho
ate depois do expediente. Um anjo apareceu e disse: - "Por que voce esta gastando tanto tempo fazendo isso?
E o Senhor respondeu:
- "Voce viu a planilha de especificacoes tecnicas dela?
Ela tem que ser totalmente lavavel, mas nao pode ser de plastico, tem mais de 200 partes moveis, todas intercambiaveis, funcionar com coca-cola light e salada no almoco, ter um colo que pode acolher quatro criancas de uma vez, ter um beijo que pode curar qualquer coisa desde um joelho arranhado ate um coracao partido e ter doispares de maos."
O anjo ficou impressionado com as exigencias.
- "Dois pares de maos!
Nao tem jeito! E isso e so o modelo basico? Isso e demais para um dia so de trabalho. Deixe para terminar amanha."
- "Mas Eu nao posso", protestou o Senhor. "Estou tao perto de terminar esta criacao que estatao perto do meu coracao. Ela ate cura a si mesma quando esta doente e e capaz de trabalhar18 horas por dia."
O anjo se aproximou e tocoua Mulher.
- "Mas a fizeste tao fragil, Senhor."
- "Ela e fragil," o Senhor concordou,
- "Mas eu tambem a fiz resistente. Voce nao tem ideia do que ela e capaz de suportar ou conquistar".
- "Ela sera capaz de pensar?"
Perguntou o anjo. O Senhor respondeu:
- "Nao so sera capaz de pensar, como de argumentar e negociar."
O anjo viu alguma coisa, e, estendendo a mao, tocou a face da Mulher.
- "Oh, parece que tem um vazamento nesse modelo. Eu disse que voce estava tentando colocar coisa demais nela."
- "Isso nao e um vazamento,"
corrigiu o Senhor, "isso e uma lagrima!
- "E para que serve?" perguntou o anjo. O Senhor disse:
-"A lagrima e sua maneira de expressar sua alegria, tristeza, dor, desapontamento, amor, solidao, luto e orgulho.O anjo estava impressionado.
- "Voce e um genio, Senhor!
Pensou em tudo! Mulher e realmente impressionante!
- "Sim! Mulheres tem forcas que impressionam os homens. Elas suportam dificuldades e carregam fardos, mas mantem a alegria,amo e o contentamento. Elas sorriem quando querem gritar. Cantam quando querem chorar. Choram quando estao felizes e riemquando estao nervosas. Lutam por aquilo queacreditam. Erguem-se contra a injustica. Nao aceitam "nao" como resposta quando acreditam que ha uma solucao melhor.
Desistem de algo para que sua familia possa ter. Acompanham um(a) amigo(a) assustado(a) aomedico. Amam incondicionalmente. Choram quando seus filhos se destacam e rejubilam-se quando seus amigos sao premiados. Ficam felizes quando ouvem sobre umnascimento ou um casamento. Seus coracoes se partem quando um amigo morre. Elas se enlutam pela perda de um membro da familia, no entanto sao fortes quando se pensaque nao ha mais forca. Sabem que um abraco e um beijo pode ajudar a curar um coracao partido. Mulheres vem de todos os tamanhos, cores e formas. Elas vao dirigir carros, pilotar avioes, andar,correr ou mandar e-mails para mostrar o quanto elas se importam com as pessoas. O coracao de uma mulher e o que faz o mundo continuar girando! Elas trazem alegria esperanca. Tem compaixao e ideais.
Dao apoio moral a seus amigos e familiares. Tem coisas vitais a dizer e tudo a dar.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Anos 80... quem não se lembra.... ?

É indiscutivelmente um dos ratos mais famosos do mundo, entrava nas nossas casas nas manhãs dos fins-de-semana. Fazia-se acompanhar ao piano por Rui Guedes (falecido recentemente), encantava crianças e graúdos com a sua boa disposição.


Topo Gigio é um boneco originalmente criado na Itália e despertava em nós um sentimento de ternura para com ele. Hoje em dia faz falta a televisão Portuguesa um Topo Gigio sempre bem disposto e sincero.

O amor

"Aceitemos os outros com as suas qualidades e imperfeições,
tal como desejamos que nos aceitem a nós.
Não tentemos mudá-los ou controlá-los.
Todos somos criados e amados pelo mesmo Poder.
Aceitemos estas expressões do Universo tal como são".

             Elizabeth Rogers
 
"O amor tudo fará para que conheçamosos segredos do nosso coração,
e nós teremos, com este conhecimento,um fragmento do coração da vida".
                   Khalil Gibran
 
"Amar não é olhar um para o outro,é olhar juntos na mesma direcçao "
                    Saint-Exupéry

"É impossível compreender alguma coisa sem amar".
                          Goethe

             Características do amor


Fala-se do amor das mais diversas formas: amor físico, amor platônico, amor materno, amor a Deus, amor a vida. É o tipo de amor que tem relação com o caráter da própria pessoa e a motiva a amar (no sentido de querer bem e agir em prol).
As muitas dificuldades que essa diversidade de termos oferece, em conjunto à suposta unidade de significado, ocorrem não só nos idiomas modernos, mas também no grego e no latim. O grego possui outras palavras para amor, cada qual denotando um sentido específico. No latim encontramos amor, dilectio, charitas, bem como Eros, quando se refere ao amor personificado numa deidade.
Amar também tem o sentido de gostar muito, sendo assim possível amar qualquer ser vivo ou objeto.

Amor platônico

Amor platônico é uma expressão usada para designar um amor ideal, alheio a interesses ou gozos. Um sentido popular pode ser o de um amor impossível de se realizar, um amor perfeito, ideal, puro, casto.
Trata-se, contudo, de uma má interpretação da filosofia de Platão, quando vincula o atributo "platônico" ao sentido de algo existente apenas no plano das idéias. Porque Idéia em Platão não é uma cogitação da razão ou da fantasia humana. É a realidade essencial. O mundo da matéria seria apenas uma sombra que lembraria a luz da verdade essencial.
A expressão amor Platônico é uma interpretação equivocada do conceito de Amor na filosofia de Platão. O amor em Platão é falta. Ou seja, o amante busca no amado a Idéia - verdade essencial - que não possui. Nisto supre a falta e se torna pleno, de modo dialético, recíproco.
Em contraposição ao conceito de Amor na filosofia de Platão está o conceito de Paixão. A Paixão seria o desejo voltado exclusivamente para o mundo das sombras, abandonando-se a busca da realidade essencial. O amor em Platão não condena o sexo, ou as coisas da vida material.
Na obra Simpósio (de Platão), há uma passagem sobre o significado do amor. Sócrates é o mais importante dentre os homens presentes. Ele diz que na juventude foi iniciado na filosofia do amor por Diotima de Mantinea, que era uma sacerdotisa. Diotima lhe ensinou a genealogia do amor e por isso as idéias de Diotima estão na origem do conceito socrático-platônico do amor. Segundo Joseph Campbell, "não é por acaso que Sócrates nomeia Diotima como aquela que lhe deu as instruções e os métodos mais significativos para amar/falar. A palavra falada por amor é uma palavra que vem das origens [1]."

        Perspectiva filosófica

O Triunfo de Vênus, de Angelo Bronzino.Diferentemente do conceito de amor platônico, quando se fala do amor em Platão estamos nos referindo ao pensamento deste filósofo sobre o amor. A noção de amor é central no pensamento platônico. Em seus diálogos, Sócrates dizia que o amor era a única coisa que ele podia entender e falar com conhecimento de causa. Platão compara-o a uma caçada (comparação aplicada também ao ato de conhecer) e distinguia três tipos de amor: o amor terreno, do corpo; o amor da alma, celestial (que leva ao conhecimento e o produz); e outro que é a mistura dos dois. Em todo caso o amor, em Platão, é o desejo por algo que não se possui.
A temática do amor é comum a quase todos os filósofos gregos, entendido como um princípio que governa a união dos elementos naturais e como princípio de relação entre os seres humanos. Depois de Platão, entretanto, só os platônicos e os neoplatônicos consideraram o amor um conceito fundamental. Em Plutarco o amor é a aspiração daquilo que carece de forma (ou só a tem minimamente) às formas puras e, em última instância, à Forma Pura do Bem. Em "As Enéadas", Plotino trata do amor da alma à inteligência; e na sua Epistola ad Marcelam, Porfírio menciona os quatro princípios de Deus: a fé, a verdade, o amor e a esperança. No pensamento neoplatônico, o conceito de amor tem um significado fundamentalmente metafísico ou metafísico-religioso.

         O amor original

O amor, para ocorrer, não importando os níveis: se social, afetivo, paternal ou maternal, fraternal - que é o amor entre irmãos e companheiros - deve obrigatoriamente ser permitido. O que significa ser amor permitido? Bem, de fato quase nunca pensa-se sobre isso porque passa tão despercebido que atribui-se a um comportamento natural do ser humano ou de outros seres vivos. Mas não, a permissão aqui referida toma-se por base um sentimento de reciprocidade capaz de dar início e alargar as relações de afetividade entre duas ou mais pessoas ou seres que estão em contato e que por ventura vêm a nutrir um sentimento de afeição ou amor entre si.
A permissão ocorre em um nível de aceitação natural, mental ou físico, no qual o ser dá abertura ao outro sem que sejam necessárias quaisquer obrigações ou atitudes desmeritórias ou confusas de nenhuma das partes. A liberdade de amar, quando o sentimento preenche de alguma forma a alma e o corpo e não somente por alguns minutos, dias ou meses, mas por muitos anos, quiçá eternamente enquanto dure e mais nas lembranças e memórias.
Por que você me ama? Porque você permitiu. Essa frase remete ao mais simples mecanismo de reciprocidade e lealdade, se um pergunta ao outro a razão de seu sentimento de amor em direção a ele, a resposta só poderia ser essa. A razão do sentimento de amor em direção à outra pessoa recaí na própria pessoa amada, que em seus gestos, palavras, pensamentos e ações conferiu permissão a que a outra pessoa ou ser - podendo até ser um animal de estimação - o dedicasse aquele sentimento de amor.
O amor pode ser entendido de diferentes formas, e tomado por certo conquanto é um sentimento, dessa forma é abstrato, sem forma, sem cor, sem tamanho ou textura. Mas é por si só: O sentimento em excelência; o que quer dizer que é o sentimento primário e inicial de todo e cada ser humano, animal ou qualquer outro ser dotado de sentimentos e capacidade de raciocínio natural.
Todos carecem de amor e querem reconhecer esse sentimento em si e nos outros, não importando idade ou sexo. O amor é vital para nossas vidas como o ar, e é notoriamente reconhecido que sem amor a criatura não sobrevive conquanto o amor equilibra e traz a paz de espírito quando é necessário.

Fases sobre Falsidade

"A falsidade é susceptível de uma infinidade de combinações; mas a verdade só tem uma maneira de ser."


Jean Jacques Rousseau
 
"A verdade alivia mais do que magoa. E estará sempre acima de qualquer falsidade como o óleo sobre a água."


Miguel de Cervantes

"Os homens deviam ser o que parecem ou, pelo menos, não parecerem o que não são."


William Shakespeare

"Muitas vezes as coisas que me pareceram verdadeiras quando comecei a concebê-las tornaram-se falsas quando quis colocá-las sobre o papel."


René Descartes

"Tenha muito cuidado com quem sempre discorda de você. E tenha mais cuidado ainda com quem sempre concorda com você."


Lucêmio Lopes da Anunciação

"A cautela é a melhor defesa contra a falsidade. Antes de se abrir a porta para um possível amigo, use esta defesa, e a verdadeira face se mostrará."


Ivan Teorilang

"Enquanto o dinheiro falar mais alto do que o caracter do homem haverá falsidade e mentiras"


Leozinho
O Dia Mundial da Voz é comemorado a 16 de Abril e foi instituido com o objectivo de sensibilizar as pessoas para a importancia da voz e os cuidados a ter para manterem-na saudavel. O acto de falar envolve todo um mecanismo organico comandado pelo cerebro, entretanto factores externos como alteração brusca da temperatura, tabaco, alcool, poluição, contrDIA MUNDIAL DA VOZ



A voz humana é produzida pela vibração do ar que é expulso dos pulmões pelo diafragma e que passa pelas pregas vocais e é modificado pela boca, lábios e a língua.
A voz é uma característica humana intimamente relacionada com a necessidade do homem de se agrupar e se comunicar. Ela é produto da nossa evolução, um trabalho em conjunto do sistema nervoso, respiratório e digestivo, e de músculos, ligamentos e ossos, harmoniosamente atuando para que se possa obter uma emissão eficiente. É importante sabermos que as pregas vocais (ou pregas vocais), que são dois pares de músculos (formando o tíreo-aritenóideo) que, primordialmente, não foram feitos para o uso da voz. Esta foi uma função na qual a laringe (local onde se encontram as pregas vocais) se especializou. Mas estes músculos foram desenvolvidos, em primeiro lugar para as funções de respiração, alimentação e esficteriana.
A voz está associada à fala, na realização da comunicação verbal, e pode variar quanto à intensidade, altura, inflexão, ressonância, articulação e muitas outras características. (...)ibuem para causar uma série de problemas às cordas vocais.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Para que seja aceite...
"Não me interessa qual é o teu modo de vida. Quero saber o que anseias, e se te atreves a sonhar alcançar os desejos do teu coração.

Não me interessa que idade tens. Quero saber se arriscas fazer figura de louco por amor, pelo teu sonho, pela aventura de estar vivo.
Não me interessa saber quais os planetas que estão em quadratura com a tua lua. Quero saber se tocaste o centro da tua própria dor, se as traições da vida te abriram ou se murchaste e te fechaste com medo de outros sofrimentos! Quero saber se consegues sentar-te com a dor, a minha ou a tua, sem te mexeres para a esconder, disfarçar ou compor.
Quero saber se consegues viver a alegria, a minha ou a tua, se consegues dançar loucamente e deixar que o êxtase te encha até às pontas dos pés e das mãos sem nos advertires para termos cuidado, sermos realistas, ou nos relembrares as limitações de ser humano.
Não me interessa se a história que me contas é verdadeira. Quero saber se consegues desapontar o outro para seres verdadeiro contigo próprio; se consegues suportar a acusação de traição e não atraiçoares a tua própria alma; se consegues não ter fé e seres, por isso, digno de confiança.
Quero saber se consegues ver a beleza todos os dias, mesmo quando o que vês não é bonito, e se consegues basear a tua própria vida na sua presença.
Quero saber se consegues viver com o fracasso, teu e meu, e mesmo assim erguer-te à beira do lago e gritar "Sim!" à lua-cheia prateada.
Não me interessa saber onde vives nem quanto dinheiro tens. Quero saber se depois de uma noite de dor e desespero, exausto, dorido até aos ossos, consegues levantar-te e fazer o que é preciso para alimentar as crianças.
Não me interessa quem tu conheces nem como chegaste aqui. Quero saber se ficarás comigo no centro do fogo, sem recuares.
Não me interessa onde ou o quê ou com quem estudaste. Quero saber o que te sustém interiormente quando tudo o mais desaba à tua volta.
Quero saber se consegues estar só contigo mesmo e se gostas verdadeiramente da companhia que te fazes nos momentos vazios."



Oriah Mountain Dreamer
                 Fatos históricos do dia 15 de abril
              
               O naufrágio do Titanic

Em 15 de abril de 1912, o Titanic, o maior e mais luxuoso transatlântico do mundo, com 10 andares naufraga, após se chocar contra um iceberg perto de Terranova. Morrem 1.513 pessoas, e apenas 705 sobrevivem por problemas com barcos reservas. O navio havia partido de Southampton e se dirigia à Nova York.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Efeméride


Mundo celebra hoje Dia Internacional do Café
Luanda - O mundo celebra hoje, 14 de Abril, o Dia internacional de um dos produtos liquidos mais consumidos: o café.
O uso da bebida teve origem em Kaffa, na Abissínia, hoje Etiópia, quando um pastor chamado Kaldi observou que as suas cabras ficavam mais espertas e saltitantes ao comer as folhas e os frutos do cafeeiro.
Ele experimentou os frutos e se sentiu mais alegre e com maior vivacidade. Um monge da região, informado sobre o facto, começou a utilizar a infusão de frutos para resistir ao sono enquanto orava.
O homem levou o grão para o mosteiro mais próximo e os monges consideraram a planta “coisa do demónio”, então Kaldi decidiu pôr fogo no arbusto.
O aroma exalado pelos frutos torrados nas chamas atraiu todos os monges para descobrir o que estava a causar aquele maravilhoso perfume, e os grãos de café foram retirados das cinzas.
Acto contínuo, os monges mudaram de ideia e sugeriram que os grãos fossem esmagados na água para ver que tipo de bebida daria, e logo descobriram que a bebida os mantinha acordados durante as rezas e períodos de meditação.
A notícia do grão "milagroso" foi passando de mosteiro a mosteiro e assim o café ficou conhecido no mundo.
O café foi torrado pela primeira vez na Pérsia. Hoje o Brasil é o maior produtor mundial do café, seguido do Vietname e da Colômbia.
O grão que faz parte do cotidiano de muitas pessoas é tão importante que ganhou um dia a si dedicado e denominado "Dia internacional do café".
Hoje, o seu uso se estendeu a todo mundo. É usado em bebidas quentes, frias, doces e salgados. O café é utilizado na gastronomia mundial e é visto por muitos não apenas como uma bebida.
Em Angola hoje, o cultivo e a reabilitação das fazendas de café destruídas já é um facto, depois de atingir os lugares cimeiros na década de 1970.

Pensamentos

Verdade - A verdade, quando impedida de marchar, refugia-se no coração dos homens e vai ganhando em profundidade o que parece perder em superfície... Um dia, essa verdade obscura, sobe das profundidades onde se exilara e surge tão forte claridade, que rasga as trevas do Mundo. (Rolão Preto)

 A humildade - A experiência da nossa fraqueza e o reconhecimento de que agimos mal, é algo que humilha. Quando à fraqueza se une o orgulho, o engano pode chegar a extremos patológicos: não se conforma com uma modesta justificação, mas incomoda-se com a verdade, com os que lhe dizem a verdade, ou com os que a vivem. (Juan Luis Lorda)

 Justiça - Há quatro características que um juiz deve possuir: escutar com cortesia, responder sabiamente, ponderar com prudência e decidir imparcialmente. (Sócrates)
 Sofrimento - A dor possui um grande poder educativo: faz-nos melhores, mais misericordiosos, mais capazes de nos recolhermos em nós mesmos e persuade-nos de que esta vida não é um divertimento, mas um dever. (Cesare Cantú)

 Liberdade - A verdadeira liberdade é um acto puramente interior, como a verdadeira solidão: devemos aprender a sentir-nos livres até num cárcere, e a estar sozinhos até no meio da multidão. (Massimo Bontempelli)

A coragem - Há circunstâncias na vida em que a dignidade humana pode exigir grandes sacrifícios, isto é, heroísmo. Ninguém tem autoridade moral para exigir de outro um comportamento heróico. Cada um de nós tem essa obrigação, não porque outros lho peçam ou censurem se o não fizer, mas porque as próprias coisas lho pedem; pede-o sobretudo a dignidade humana. A história de todas as culturas está cheia de gestos exemplares deste tipo, fora do "normal estatístico". Mas estas escolhas podem surgir na vida de todos os homens, em circunstâncias "normais". (Juan Luis Lorda)
Racismo o que é?


Crença segundo a qual as capacidades humanas são determinadas pela raça ou origem étnica, muitas vezes expressa na forma de uma afirmação de superioridade de uma raça ou grupo sobre os outros.
Pode manifestar-se como descriminação, violência ou abuso verbal.
O racismo surge na cultura ocidental, ligada a certas concepções sobre a natureza humana que fundamentaram a sua descriminação, tendo em vista a sua exploração.


Nascimento do racismo!
As primeiras concepções racistas modernas surgem em Espanha, em meados do século XV, em torno da questão dos Judeus e dos Muçulmanos.
Até então os teólogos católicos limitavam-se aqui a exigir a conversão ao cristianismo dos crentes destas regiões para que pudessem ser tolerados.
Contudo, rapidamente colocam a questão da "limpieza de sangre" (limpeza de sangue).
Não basta converte-los, "limpando-lhes a alma", era necessário limpar-lhes também o sangue. Só que acabam por chegar à conclusão que este uma vez infectado por uma destas religiões, permaneceria impuro para sempre. A religião determina a raça e vice-versa. No século XVI esta concepção é estendida aos Índios e Negros. Nenhuma conversão ou cruzamento destas raças, afirma o espanhol Frei Prudêncio de Sandoval, é capaz de limpar a sua natureza inferior e impura. A única cura possível, nestes casos, é o extermínio. Entre Sandoval e Adolfo Hitler existe uma linha de continuidade de ideias e práticas racistas (J.H.Jerushalmi).
Ainda no século XVI, como refere Hannah Arendet surgirá na França uma outra concepção racista que será retomada por outros ideologos racistas mais recentes. François Hotman sustenta então que existia na França duas raças diferentes: a dos Nobres e a do Povo. A primeira de origem Germânica, era a raça dos fortes e conquistadores. A segunda a dos vencidos e antigos escravos. Trata-se de uma argumentação que procura sustentar em termos rácicos o poder e a supremacia da Nobreza em toda a Europa.
A questão da violência em que assentava a escravatura, será um dos principais argumentos utilizados entre os séculos XVI e XVIII para a condenar.

Racismo e direitos Humanos!

Declaração dos Direitos do Homem, elaborada no século XVIII, consagra a ideia da igualdade de todos os seres Humano, independentemente da sua raça, religião, nacionalidade, idade ou sexo. Diversos países desde então integraram estes princípios nas suas constituições, mas a verdade é que não retardaram em adoptar medidas restritivas à sua aplicação. A França, que simbolizou esta mesma Declaração, não tardou logo em 1804, em decretar a reintrodução da escravatura nas colónias e ao longo de todo o século XIX em proteger o tráfico clandestino dos negreiros.
Embora teoricamente todos os Homens fossem considerados iguais, desta igualdade foram excluídos os negros, os índios e todas as "raças" consideradas "selvagens", "incivilizadas", "primitivas", etc.
A razão que apresentavam era a seguinte: Estes possuíam hábitos de vida e uma cultura que os impossibilitava assumirem plenamente a condição de Homens (cidadãos). Daí que nas respectivas colónias a população fosse hierarquizada em função da sua aproximação ao ideal de Homem (cidadão) acima definido. O melhor exemplo desta situação é dado pelo E.U.A: apenas nos anos 60 do século XX, acabaram em todos os seus Estados as excepções legais à igualdade de direitos entre negros e brancos, o que não impediu que as desigualdades de tratamento tivessem continuado.
"A discriminação entre seres Humanos com base em raça, cor ou origem étnica é uma ofensa à dignidade humana e será condenada como uma negação dos princípios da Carta das Nações Unidas, com uma violação dos Direitos Humanos e liberdades fundamentais proclamadas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como um obstáculo para relações amigáveis e pacíficas entre as Nações, e como um fato capaz de perturbar a paz e a segurança entre os povos." Declaração sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação racial, ONU, 1963.



"RACISTA, EU?"

Comissão    Europeia
A União Europeia considera que deve combater as discriminações em razão do sexo, raça, origem étnica, religião e crença, deficiência, idade ou orientação sexual.

UMA VISTA DE OLHOS POR CERTAS DEFINIÇÕES E CONCEITOS

"O racismo começa quando a diferença, real ou imaginária, é usada para justificar uma agressão. Uma agressão que assenta na incapacidade para compreender o outro, para aceitar as diferenças e para se empenhar no diálogo".


                                                                Mário Soares, antigo presidente de Portugal


"O racismo consiste em crer que certas pessoas são superiores a outras devido a pertencer a uma raça específica. Os racistas definem uma raça como sendo um grupo de pessoas que têm a mesma ascendência. Diferenciam as raças com base em características físicas como a cor de pele e o aspecto do cabelo. Investigações recentes provam que a (raça) é um conceito inventado. A noção de (raça) não possui qualquer fundamento biológica. A palavra (racismo) é igualmente usada para descrever um comportamento abusivo ou agressivo para com os membros de uma (raça inferior). O racismo reveste-se de várias formas nos diversos países, consoante a sua história, cultura e outros factores sociais. Uma forma relativamente recente de racismo, por vezes denominada (diferenciação étnica ou cultural), defende que todas as raças e culturas são iguais, mas não se deviam misturar, de maneira a conservar a sua originalidade. Não existe nenhuma prova científica da existência de raças diferentes. A biologia só identificou uma raça: a raça humana.

«A Europa é uma sociedade multicultural e multinacional que se enriquece com esta variedade. No entanto, a constante presença do racismo na nossa sociedade não pode ser ignorada. O racismo toca toda a gente. Degrada as nossas comunidades e gera insegurança e medo.»




 Pádraig Flynn, Comissário Europeu